segunda-feira, julho 18, 2005

Demónios

Quando te deitas de noite
E te libertas para adormecer
Os teus demónios cercam-te
Já não te podes esconder

Perdes a respiração
Enquanto as lágrimas correm
Perdes a esperança
Enquanto os teus sonhos morrem

Atacam-te todos em simultâneo
A tua alma começa a girar
E enquanto isso discretamente
A tua alma continua a sangrar

Nem sempre a vês sangrar
Ou preferes fingir que não...
Porque se esse fingimento parar
Pára também o teu coração

São tantos e tão grandes
Não tens força para os combater
Resta-te resignar ... fingir
Não sentir ... esmorecer

A cada dia que passa
Roubam um pouco de ti
A tua alma enfraquece
Enquanto o vazio sorri

Mas tu não sentes!
Ou assim queres pensar
Porque ver uma alma a morrer
É demasiado para suportar

CH 2/06/05

4 comentários:

Dumb disse...

Nunca tive grande jeito para criar...

Mas depois de um adormecer desses vê se este acordar te diz alguma coisa.

AnaBond disse...

:*
(e mais uma vez, não sei o que dizer...)

Taina disse...

dumb... gostei:) gostei mesmo

Dumb disse...

;)