sábado, junho 25, 2005

Vidas...

Tive a ler hj um post que me fez lembrar de um dos meus poemas...

Choro vermelho

O sangue escorria
E a esperança levava
Tudo desaparecia
Enquanto o corpo chorava

Lágrimas vermelhas
De angústia e dor
De derrota e entrega
E agora, de medo e horror

Ganhara coragem
E fizera o impensável
E agora perante si mesma
Pagava o custo do imperdoável

Não pensava que fosse assim
Quer voltar atrás
Tem medo do que a espera
Queria ter sido capaz

Capaz de enfrentar o mundo
Que tanto a magoou
Saber o porquê da infelicidade
Saber porque não amou...

Mundo surdo e cruel
Que não mostra piedade
Engole os que não o entendem
Não permite qualquer saudade

Mas agora é tarde
A vida foge-lhe dos pulsos
Marcas de erros e desespero
Fontes de malditos impulsos.

CH 9/10/2002

3 comentários:

Ana disse...

É muitas vezes no final da estrada que nos apercebemos que a viagem que nos custou tanto afinal nos deu tanto... por mais que a vida nos magoe... há sempre mais alguma coisa à nossa espera... mais que o final... jokas

A. disse...

Gostei muito!!!
A.

anitacanita disse...

Gosto muito deste, apesar de ser um bocadinho morbido :P

Beijocas